Explicação

Infertilidade é a dificuldade para engravidar. É definida pela ausência de gravidez após um ano de tentativas regulares, bem distribuídas ao longo do ciclo menstrual.

Como ou por que ocorre

Pode ocorrer por causas relacionadas à mulher ou ao homem. Nas mulheres, a infertilidade pode ser causada por alterações hormonais que afetam a ovulação, por doenças que levam à obstrução das tubas ou do útero ou por problemas congênitos, como ausência de útero ou vagina e alterações genéticas. Nos homens, pode ser causada por falta de produção normal de espermatozoides.

Fatores de risco

Os principais fatores de risco de infertilidade feminina são:
» Idade – a mulher nasce com o número de óvulos prontos, que vão sendo liberados mensalmente. Após 35 anos, estima-se que restem apenas 10% dos óvulos adequados para engravidar;
» Endometriose – é uma doença que causa inflamações e aderências nas tubas e nos ovários, dificultando muito a gravidez. A inflamação pode atrapalhar a fecundação do óvulo e também pode causar obstrução das tubas. Essa doença causa muita cólica menstrual;
» Síndrome dos ovários policísticos – alterações hormonais impedem a ovulação e dificultam a ocorrência de gravidez;
» Alterações hormonais ou de peso corporal – tanto a obesidade quanto o baixo peso atrapalham a ovulação, bem como o hipotireoidismo e o aumento da prolactina;
» Doenças do útero – malformações congênitas, pólipos; alguns miomas podem deformar a cavidade do útero e atrapalhar a implantação do embrião;
» Doenças sexualmente transmissíveis – infecção por clamídia ou por gonorreia podem causar inflamação nos órgãos genitais e obstrução tubária. Para o homem, os fatores de risco são:
» Varicocele – dilatação das veias que drenam os testículos;
» Disfunções hormonais que alteram a produção de espermatozoides.

Dicas de prevenção e/ou curiosidade

A chance de um casal engravidar é de cerca de 30% ao mês, ou seja, mesmo com relação sexual regular e sem usar método contraceptivo, engravidar não é fácil. Por isso, é preciso tentar engravidar por um ano antes de procurar tratamento. Mulheres acima de 35 anos devem esperar menos tempo, cerca de seis meses. Para diminuir o risco de infertilidade, recomenda-se:
» Não deixar para engravidar muito tarde (após 35 anos);
» Ter peso saudável, evitando obesidade e baixo peso;
» Cuidado na prevenção e tratamento rápido de doenças sexualmente transmissíveis;
» Evitar tabagismo.

Tratamento

O tratamento da infertilidade depende da causa. Nos distúrbios hormonais, é recomendado o tratamento das alterações hormonais.

Pólipos, miomas, endometriose e malformações podem ser tratadas de outras maneiras pelo seu médico.

Seu médico pode ainda utilizar outros tratamentos:
» Indução da ovulação – quando seu médico utiliza medicamentos que induzem a ovulação, podendo-se assim, haver uma programação da relação sexual no dia calculado da ovulação;
» Inseminação intrauterina – no dia da ovulação, seu médico utiliza alguns processos que visam a introdução dos espermatozoides diretamente dentro do útero;
» Fertilização in vitro – Seu médico consegue retirar os óvulos e fecundá-los no laboratório e devolvê-los novamente para seu útero.

Bibliografia Consultada » Smith S, Pfeifer SM, Collins JA. Diagnosis and management of female infertility. JAMA. 2003 Oct 1;290(13):1767-70. » Pritts EA. Fibroids and infertility: a systematic review of the evidence. Obstet Gynecol Surv. 2001 Aug;56(8):483-91. » Homer HA, Li TC, Cooke ID. The septate uterus: a review of management and reproductive outcome. Fertil Steril. 2000 Jan;73(1):1-14. » Gnoth C, Godehardt D, Godehardt E, Frank-Herrmann P, Freundl G. Time to pregnancy: results of the German prospective study and impact on the management of infertility. Hum Reprod. 2003 Sep;18(9):1959-66. » Stovall DW, Toma SK, Hammond MG, Talbert LM. The effect of age on female fecundity. Obstet Gynecol. 1991 Jan;77(1):33-6. » Jick H, Porter J. Relation between smoking and age of natural menopause. Report from the Boston Collaborative Drug Surveillance Program, Boston University Medical Center. Lancet. 1977 Jun 25;1(8026):1354-5. » Van Voorhis BJ. Outcomes from assisted reproductive technology. Obstet Gynecol. 2006 Jan;107(1):183-200.